Aí você está falando e no meio do raciocínio de uma conversa super importante  ….”Mãe me dá suco?Mãe podemos brincar de Lego?Mãe quando o papai vai chegar?” Quem nunca passou por isso, nunca passou porque não é mãe só pode! Esta semana um artigo de um blog Australiano lá da terrinha da minha irmã, relatou algo que eu, sinceramente tantarei aqui em casa. Primeiro que acho que as crianças são extremamentes inteligentes e acredito que aquillo que ainda não fazem é porque não foram ensinadas e assim nunca aprenderam. Eu mesma assumo, nunca tive uma idéia assim tão respeitosa e com amor para ensinar meus filhos a não me interromperem. No artigo ela conta que  a técnica em questão foi aprendida pela autora do texto ao observar o comportamento de uma amiga com seu filho. 

Elas estavam conversando em casa, quando o filho da amiga, de 3 anos, veio até a mãe querendo dizer alguma coisa. Mas em vez de interrompê-la, ele colocou a mãozinha no pulso da mãe. Em resposta, sem interromper a conversa, a mãe colocou a mão na mãozinha da criança.

 

 

 

 

Quando esta mãe terminou o que estava dizendo, aí então ela se virou para a criança, dando-lhe a atenção que ela queria. A autora que defende esta “técnica” explica que isso é um ato singelo mas ao mesmo tempo muito carinhoso.

É claro que a criança teve que ser condicionada e como mencionei ali em cima, ensinada  a saber esperar por um tempinho até que a mãe pudesse concluir um raciocínio ou terminar uma história.

 

E depois disso tem mais, ela mesma resolveu aplicar a  técnica com os próprios filhos depois de combinar com o marido que ele também faria o mesmo.

 

Eles explicaram aos filhos que se eles querem dizer algo enquanto alguém já está falando, basta colocar a mãozinha em seu pulso e esperar um pouco.

 

Acredito que valha a pena reforçar  que assim que a mamãe coloca a mão em cima da deles é um sinal de que logo serão atendidos.

 

Ela conta que foi preciso muito pouco tempo para as crianças entenderem o sistema e pararem de interromper suas conversas.

A coisa mais interessante é que, dessa maneira, não há necessidade de ficar criando um clima chato ao falar frases como: “não me interrompa”, “fique quieto” ou  “espere e não seja mal educado.”, “Mamãe está falando, espere um pouquinho.”

 

 

Adorei a idéia e técnica e vou implementar por aqui.

Vocês sabem que acredito sim que essas posturas podem funcionar quando explicadas e aplicadas. com amor.

 

Vou fazer por aqui e quem fizer me conte também.

 

Post australiano An Everyday Story

 

Beijos 

Cacau Prado